Anuncie

Anuncie

Explosão mata mais de 100 e desaloja 250 mil em Beirute


A capital libanesa, Beirute, foi atingida ontem por uma violenta explosão que atravessou quarteirões, matou pelo menos 100 na conta conhecida até esta manhã às 7h, e feriu mais de 4 mil. O Instagram @locatevictimsbeirut foi erguido para que as pessoas publiquem fotografias dos que ainda não apareceram. Segundo o canal de TV local MTV, pelo menos 250 mil pessoas ficaram sem suas casas. A crise pode se tornar rapidamente mais grave nos próximos dias — foram destruídos os silos de grãos do porto, levando 80% do estoque libanês de trigo num país em que o pão é a base das refeições. (Guardian)

No total, foram duas as explosões — a segunda, muito maior, foi sentida no Chipre, a quase 250 quilômetros de distância, ergueu uma nuvem em cogumelo que se dissipou num halo, com o núcleo central denso e avermelhado, e foi seguida por uma onda de choque que estilhaçou vidros num raio de dez quilômetros. A desconfiança do governo, no momento, é de que a primeira ocorreu em um armazém de fogos de artifício na região do porto. A segunda explosão se deu após a ignição de 2,7 mil toneladas de nitrato de amônia, estocados ali perto desde que confiscados pelo governo, faz seis anos. O produto químico é usado em fertilizantes mas tem a característica de oxigenar incêndios, o que o torna componente de muitos explosivos, aumentando seu potencial destrutivo. O governo libanês não descarta a possibilidade de atentado terrorista, mas não é a hipótese principal com a qual trabalha. (New York Times)

Filmada por inúmeros ângulos: assista à explosão. (G1)

Guga Chacra: “Impossível pensar uma catástrofe maior do que a do Líbano. Uma nação em colapso econômico, crise política, pandemia e agora esta gigantesca explosão no porto de Beirute. Triste. A economia libanesa dependia de um movimento contínuo de envio de remessas da diáspora e, em menor escala, de outros estrangeiros para o Líbano. Era praticamente um esquema de pirâmide. Durou mais de duas décadas e sobreviveu inclusive à guerra entre Israel e o Hezbollah em 2006 e aos anos de guerra civil na vizinha Síria. Mas não resistiu aos protestos contra a corrupção e o sistema político e à pandemia. A pressão cresceu e o país entrou em um colapso financeiro similar ao da Argentina em 2001, quando seu esquema de câmbio fixo e juros altos também naufragou. A crise política também persiste. Muitos libaneses não se sentem representados. O país possui um sistema sectário, no qual o poder é dividido entre as principais religiões. O presidente é cristão maronita; o premier, muçulmano sunita; e o presidente do Parlamento, muçulmano xiita. Até instalaram um governo tecnocrático recentemente, mas foi insuficiente para amenizar a situação e a chegar a um acordo com o FMI para o país ter fundos para cumprir as suas obrigações.” (Globo)

Fonte: Meio

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.