Anuncie

Anuncie

Bolsonaro ataca decano do Supremo


O presidente Jair Bolsonaro publicou ontem, em suas redes, um trecho da Lei de Abuso de Autoridade aprovada no ano passado pelo Congresso. “Art. 28. Divulgar gravação ou trecho de gravação sem relação com a prova que se pretenda produzir, expondo a intimidade ou a vida privada ou ferindo a honra ou a imagem do investiga ou acusado: pena – detenção de 1 (um) a 4 (quatro) anos”, indicou. A ameaça velada veio após o ministro Celso de Mello, decano do Supremo, ter ordenado a divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, na sexta-feira. A ofensiva faz também parte da estratégia do Planalto para lidar com o inquérito. O decano é o relator, no STF, da investigação que apura se o presidente interferiu motivado por preocupações de ordem pessoal na Polícia Federal. A acusação foi feita pelo ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro. Bolsonaro e seus assessores pretendem ampliar os ataques a Celso para promover a hipótese de que o ministro, ao exagerar em suas decisões, é suspeito para julgar. (Folha)

Josias de Souza: “‘Essa bala perdida vai atingir todo o Supremo’, disse à coluna um dos ministros da Corte. ‘Ou o presidente Bolsonaro está juridicamente mal assessorado ou decidiu transformar inquérito em palanque, o que não me parece aconselhável.’ Ao comentar o post, o colega de Celso de Mello disse que Bolsonaro comete três erros num único movimento: 1) Esgrime uma tese jurídica precária; 2) Ecoa o ministro Abraham Weintraub (Educação) na ideia de prender ministros do Supremo; e 3) Unifica a Corte contra si.” (UOL)

Ao menos dentro da Procuradoria-Geral da República, o vídeo está sendo levado a sério. A equipe de investigadores considera que ele deixa claro que Bolsonaro pressionou Moro para fazer mudanças em cargos na PF por questões pessoais. Eles consideram que lá está um tipo de prova raramente conseguida em casos assim, que é o dolo — a vontade de cometer o delito. “Já tentei trocar gente da segurança nossa no Rio oficialmente e não consegui”, afirmou o presidente durante o encontro. Não vou esperar foder minha família toda de sacanagem, ou amigo meu, porque eu não posso trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence à estrutura.” Não é a única prova. Dentre as mensagens enviadas pelo presidente ao ex-ministro da Justiça, uma afirmava que inquéritos na PF do Rio contra aliados de Bolsonaro eram “mais um motivo para a troca”. O fato de que o diretor-geral Maurício Valeixo foi demitido e uma das primeiras ações de seu substituto ter sido a substituição do superintendente no Rio sugere confirmação do objetivo. (Globo)

O ministro Sérgio Moro afirmou, em entrevista ao Fantástico, que o governo abandonou o combate à corrupção. “Desculpe aqui os seguidores do presidente se essa é uma verdade inconveniente, mas a agenda anticorrupção não teve impulso por parte do presidente”, ele afirmou. “O governo se vale da minha imagem, tenho esse passado de combate firme à corrupção, e de fato o governo não está fazendo isso. Não está fortalecendo as instituições para o combate à corrupção.” Para o ministro, desde o momento em que o Coaf foi retirado de sua pasta já havia indícios de que corrupção não era foco principal do Planalto. “Minha lealdade ao presidente demanda que eu me posicione com a verdade, com o que penso”, ele reiterou. “Não há espaço ali para o contraditório. Eu não estava confortável, me sentia incomodado por vários aspectos.” Assista ou leia a transcrição. (G1)

Fonte: Meio

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.