Anuncie

Anuncie

Onyx cai e Bolsonaro se cerca de generais


Caiu mais um dos ministros palacianos que começaram o governo com o presidente Jair Bolsonaro. Ontem, após um longo processo de fritura, o chefe da Casa Civil Onyx Lorenzoni foi comunicado de que seria substituído. Assume seu lugar o general Walter Braga Netto, da ativa, atual Chefe do Estado-Maior do Exército e responsável pela intervenção militar no Rio durante o governo Temer. Agora, todos os ministros que trabalham no Planalto têm origem militar. A nova linha agrada Bolsonaro, que quer evitar pretensões eleitorais em sua antessala. Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, chegou a ser convidado, mas recusou. Enquanto isso, Onyx deve assumir o Ministério da Cidadania, hoje comandado por Osmar Terra. A saída do ex-Casa Civil já era esperada desde que viu suas funções serem esvaziadas. Após demissão de seu secretário-executivo, Vicente Santini, por abuso de vôos da FAB, ele perdeu o Programa de Parcerias de Investimentos, que foi transferido para o Ministério da Economia. E ficou restrito a função de mensageiro do presidente no Congresso. (Globo)

Para os militares o movimento causa, simultaneamente, preocupação e alívio. Um general de quatro estrelas ouvido pela Coluna do Estadão observou que o presidente deveria se cercar de uma pluralidade de visões. Só com fardados ao seu redor, isto não existe. Por outro lado, esvazia-se a ala ideológica, ligada ao escritor Olavo de Carvalho. É coisa que os militares vêem com bons olhos. (Estadão)

Pois Onyx foi para a pasta da Cidadania por conta da irritação de Bolsonaro com Terra. O ministro teria ignorado alertas de que uma empresa de tecnologia que contratou foi a mesma usada para desviar R$ 50 milhões entre 2016 e 2018 no antigo ministério do Trabalho. (BR Político)

Enquanto isso... o MP pediu ao TCU que investigue todos os contratos com empresas de tecnologia feitos durante a gestão de Terra. Num intervalo de seis meses, a pasta fechou mais de R$ 25 milhões em contratos sem abrir licitação. (Estadão)

Fonte: Meio

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.