Anuncie

Anuncie

Zero Um diz ter recebido mais do que declarou ao IR sua loja


O senador Flávio Bolsonaro, além de receber em sua loja da Kopenhagen o dobro do que o sócio, afirmou ter retirado da empresa 82% mais do que a loja declarou à Receita Federal, de acordo com o Ministério Público do Rio. O filho Zero Um diz ter retirado R$ 793,4 mil nos três primeiros anos da loja. Mas o fisco recebeu a informação de que ele teria recebido R$ 435,6 mil no período. Também há divergências nas retiradas de Alexandre Santini, sócio de metade da loja. (Globo)

A loja é um dos seis núcleos investigados pelo MP-RJ como parte de um esquema de rachadinha em seu gabinete quando era deputado. A suspeita é de que o filho Zero Um teria lavado até R$ 1,6 milhão no estabelecimento. E os depósitos coincidiam com datas de recolhimentos feitos pelo seu ex-assessor, Fabrício Queiroz. O advogado Frederick Wassef negou que ela tenha sido usada para lavagem de dinheiro. Em entrevista a Chico Alves, afirma que o aumento de capital está sendo criminalizado. Wassef ainda defendeu a ligação de Flávio com o miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega. A ex-mulher de Adriano foi assessora no gabinete do então deputado e teria repassado R$ 203 mil a Queiroz por meio de duas pizzarias controladas por Adriano. (UOL)

O filho do presidente espera que o Supremo interrompa, novamente, as investigações. Há um pedido de habeas corpus nas mãos do ministro Gilmar Mendes, que já recebeu do Tribunal de Justiça do Rio as informações a respeito do caso que pediu. A expectativa é de que a decisão final não caiba a Gilmar e fique com o presidente da Corte, Dias Toffoli. É que cairá no recesso do Judiciário. Em julho, também durante um recesso, Toffoli interrompeu a mesma investigação com uma liminar que só foi derrubada em novembro. (Folha)

Fonte: Meio

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.