Anuncie

Anuncie

Laranjal mineiro pode ter beneficiado Bolsonaro


O presidente Jair Bolsonaro se beneficiou do esquema de candidaturas laranjas comandado pelo seu ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, em Minas Gerais. De acordo com uma planilha obtida pelos jornalistas Camila Mattoso e Ranier Bragon, o dinheiro serviu ao pagamento de peças publicitárias para a campanha presidencial. Como a legislação obriga os partidos a destinarem 30% da verba a candidaturas de mulheres, Álvaro Antônio teria posto na legenda candidatas que sequer fizeram campanha. O dinheiro do fundo eleitoral que entrava para elas era desviado para outros usos, no PSL mineiro. Bolsonaro não só negou como partiu para cima. “A Folha avançou todos os limites, transformou-se num panfleto ordinário às causas canalhas”, disse. “Com mentiras, já habituais, conseguiram descer às profundezas do esgoto.” (Folha)

Pois é... Surpreendeu muita gente, inclusive entre procuradores que atuaram na força-tarefa da Lava Jato, a reação do ministro da Justiça Sergio Moro. O ex-juiz partiu para a defesa do presidente sem piscar. “Nem a PF e nem o Ministério Público viram algo contra o presidente no inquérito”, ele afirmou. Por correr em sigilo, Moro não deveria ter acesso a qualquer informação, lembra o Painel. Se antes parecia reticente no apoio ao governo, começou a demonstrar sinais de lealdade cobrados pela família presidencial. O ministro talvez tenha falado cedo demais. A PF estuda abrir novo inquérito baseado nos indícios. (Folha)

Fonte: Meio

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.