Anuncie

Anuncie

Guedes tenta arrefecer crise mas redes mantém ataque a Maia


O ministro Paulo Guedes participa hoje de uma audiência pública, na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, para falar sobre a reforma da Previdência. Sua maior missão é outra: superar a crise aberta entre Jair Bolsonaro e Rodrigo Maia, durante o fim de semana. No Palácio, os ministros Onyx Lorenzoni, Augusto Heleno e Carlos Alberto Santos Cruz pediram trégua nas redes sociais. Os perfis influenciados pelo filho zero dois, Carlos Bolsonaro, mantiveram os ataques a Maia. (Globo)

Pois é: o Centrão faz uma campanha para ignorar a reforma proposta por Guedes e levar a voto a anterior, mais tímida, do governo Temer. Seria uma forma de bater-se contra o presidente sem por em risco a economia. Ao menos por enquanto, Maia não aceita a possibilidade. (Folha)

Então... O PSL na Câmara entrou em crise. Segundo Renato Onofre, no Estadão, a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann está sendo contestada pela própria base. O líder do partido, informa Mônica Bergamo, na Folha, é criticado dentro do Planalto pela inabilidade. E a própria bancada rachou, entre os que estão favoráveis a Maia e os que tomaram as dores de Bolsonaro, conta Natália Portinari, no Globo. O governo não controla, sequer, seu partido.

Luiz Guilherme Schymura, da FGV: “O chefe do Executivo tem dado mostras de que não está disposto a ter protagonismo. O que parece intransigência pode ser na verdade um posicionamento político estratégico. Por melhor que seja a condução da reforma da Previdência, haverá grupos insatisfeitos. Não se pode desconsiderar o ônus político que restará quando da aprovação. Bolsonaro pode estar trabalhando para transferir aos congressistas a conta do desgaste. Seu posicionamento contrário à reforma quando era deputado passa a ser extremamente oportuno, uma vez que lança dúvidas quanto à importância que dá ao assunto. Por outro lado, como há forte mobilização em torno do tema, por que haveria a necessidade de fornecer alguma vantagem aos congressistas para que votem a favor? Afinal, a maioria dos parlamentares deveria ao menos estar convencida da necessidade. O que justifica frases proferidas pelo presidente, tais como: ‘Fizemos nossa parte, a bola da previdência agora está com o Parlamento’. Um longo, tortuoso e intrincado caminho para reformar a previdência parece estar em curso.”

Por: Meio

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.