10 janeiro 2019

Mudanças em edital para livros didáticos aconteceram fora do MEC



A polêmica sobre a mudança no Programa Nacional do Livro Didático pode render uma investigação. Ontem, após a divulgação que o novo edital do PNLD excluía pautas consideradas “de esquerda”, como combate à violência contra a mulher, e a exigência de bibliografia e o controle de erros, o MEC revogou as mudanças e as atribuiu à “gestão anterior”. Rossieli Soares, ministro da Educação no governo Temer, veio a público e desmentiu, e um levantamento preliminar do ministério mostrou que as alterações polêmicas não constavam da versão do edital liberada pelo MEC em 28 de dezembro, no apagar das luzes da gestão de Rossieli. Como elas foram parar na versão publicada em 2 de janeiro ainda é um mistério a ser desvendado. (Folha)

Vera Magalhães: “Algumas mudanças feitas pelo governo no edital para os livros didáticos refletem a ideia já manifestada ‘n’ vezes pelo presidente e seus auxiliares de ‘desideologizar’ a educação. Outras, no entanto, ferem qualquer noção de bom senso e de cuidado com a qualidade da educação.” (Estadão)

Por: Meio