16 novembro 2018

Sem cubanos, 28 milhões podem ficar sem médicos



O governo cubano decidiu que vai retirar, até o fim do ano, os 8,5 mil médicos que vêm trabalhando no país. A decisão se deve por conta do que Havana considera terem sido ‘declarações ameaçadoras e depreciativas’ do presidente eleito, Jair Bolsonaro. Segundo a Confederação Nacional dos Municípios, mais de 28 milhões de pessoas devem ficar sem atendimento por conta da briga. Dos municípios brasileiros, 1.575 só têm médicos cubanos. “É uma decisão hostil”, declarou o atual ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes. “Uma decisão sem cabimento.”

Um estudo que simula cenários realizado pela Universidade Federal da Bahia em conjunto com o Imperial College, de Londres, e a Universidade de Stanford, no Vale do Silício, afirma que a interrupção do programa Mais Médicos e o teto de gastos na Saúde pode fazer com que até 50 mil pessoas morram precocemente. (Folha)

Por: Meio