13 novembro 2018

Programa Prolavoura da Secretaria de Agricultura de São Desidério realiza terceira etapa



O lavrador Valdemar Francisco da Silva, da comunidade de Vila Nova Conceição já concluiu o processo de preparo do solo e agora espera receber as sementes para iniciar o plantio. Seu Valdemar, assim como cerca de mais de 900 produtores foram cadastrados no Prolavoura, programa da Prefeitura de São Desidério mantido por meio da Secretaria Municipal de Agricultura e Desenvolvimento Econômico (SEAGRI). Este ano 920 famílias foram cadastradas no programa.

“É uma boa oportunidade para nós porque adianta o serviço da gente. Vou plantar primeiro feijão e depois capim”, comenta o lavrador Valdemar. Da mesma opinião partilha Aguinel Francisco da Silva, que já recebeu a semente e dará início ao plantio. “Estou satisfeito porque já recebi as horas máquina e a semente. Se a máquina não tivesse feito esse trabalho, a gente ainda teria que capinar. Sem esse apoio da secretaria de Agricultura seria mais difícil”, revela o agricultor Aguinel Silva.


O Prolavoura tem o objetivo de incentivar os pequenos produtores e fomentar a Agricultura Familiar. São oferecidas duas horas/máquina de trator para preparo do solo e doação de sementes. De acordo com a SEAGRI, o cronograma foi iniciado em junho com a realização do cadastro das famílias, seguido da visita às comunidades para avaliar as áreas, determinar o período de preparo do solo e reuniões com a empresa prestadora de serviço para definir o trabalho.

“Em 20 de outubro iniciamos a terceira e última etapa com os serviços de gradagem para preparo do solo e posteriormente a doação de sementes para o plantio. Lembrando que cada etapa é realizada com o acompanhamento e fiscalização dos técnicos da secretaria para garantir uma maior eficácia do programa e incentivo a produção do pequeno produtor”, explica a secretária de Agricultura, Patrícia Rocha.

“A quantidade de famílias cadastradas aumenta no decorrer no desenvolvimento do programa. As sementes de feijão e de capim foram escolhidas porque são mais adaptáveis à região. A doação de sementes é definida de acordo com a quantidade de horas/máquina disponibilizada”, complementa o técnico agrícola da SEAGRI, Erbe Pereira.

Texto: Ana Lúcia Souza
Foto: Arquivo SEAGRI