26 novembro 2018

Bloco de esquerda sem PT toma corpo no Congresso



Está se consolidando a frente parlamentar de esquerda sem o PT. PDT e PSB da Câmara estão nos ajustes finais, informa o Painel da Folha, e PCdoB é quase certo. No Senado está mais inclusivo, pois PPS e Rede chegaram junto. “O PT não é o monopólio da esquerda”, explica em entrevista ao Poder360 Carlos Siqueira, presidente do PSB. “Há setores que não desejam que esse bloco inclua o PT. Não é isolamento, mas apenas uma diferenciação que se deseja fazer de um tipo de oposição que não é exatamente igual.” O objetivo dos parlamentares é fazer uma oposição ao governo que não seja sistemática e acrítica. Muitos acreditam que esta é a leitura que a presença do PT passaria. O grupo se inclina a apoiar a candidatura de Rodrigo Maia para a presidência da Casa.

Pois é... Não à toa, Maia prometeu ao Centrão que se eleito atuará com independência em relação ao governo. Não importa se o DEM, seu partido, se alinhe com Bolsonaro. A mensagem agrada a PP, PR e PSD — como agrada à esquerda. (Folha)

Enquanto isso... Fernando Haddad está em campanha interna pelo comando do partido. “Nós temos que tirar o PT do SPC”, disse à bancada. Precisa reinventar sua imagem. Defende renovação dos quadros, reaproximação de setores perdidos, como os evangélicos, e uma nova forma de se comunicar. Leia-se: redes sociais. Gleisi Hoffmann, a presidente da sigla indicada por Lula, está em baixa. (Globo)

Por: Meio