22 outubro 2018

Filho de Bolsonaro faz bravata sobre fechamento do STF



Em vídeo capturado em 9 de julho, quando respondia a perguntas de alunos de um curso preparatório para concurso da Polícia Federal, o deputado federal Eduardo Bolsonaro se manifestou sobre a possibilidade de o Supremo impugnar a candidatura de seu pai. “Eles vão ter que pagar para ver”, afirmou. “O pessoal até brinca: se quiser fechar o STF, você não manda nem um jipe, manda um soldado e um cabo. Não é querendo desmerecer o soldado e o cabo. O que é o STF, cara? Tira o poder da caneta de um ministro do STF, o que ele é na rua?” (Estadão)

Bolsonaro reagiu rápido ao vídeo do filho. Primeiro questionou se não foi tirado do contexto. “Se alguém falou em fechar o STF, precisa consultar um psiquiatra.” E aí mudou o foco. “Está havendo hoje manifestação em todo o Brasil. É sinal de que a população está realmente preocupada com o futuro e quer alguém diferente do PT na presidência.” Eduardo recuou. “Se fui infeliz e atingi alguém, tranquilamente peço desculpas e digo que não era minha intenção.” (Estadão)

A jornalista Miriam Leitão ouviu em off alguns dos ministros. “É uma declaração despropositada, sequer a matéria envolve o Supremo, é de competência do TSE”, disse um. “É uma mistura de autoritarismo com despreparo.” Outro foi mais duro. “O que ele falou, e ele é deputado, é golpista.” Um terceiro comentou considerar um risco a eleição de um populista de direita. Pelo menos um dos ouvidos afirmou acreditar que as Forças Armadas são “um elemento de contenção” do grupo bolsonarista, porque não querem ser confundidos. (Globo)

Pois é... Oficiais graduados estão mesmo preocupados. Se o prestígio militar neste momento agrada, há temor de que problemas num governo Bolsonaro os transforme em vidraça. Que um fracasso do governo seja associado aos quartéis. Incomodam, também, declarações mais fortes do candidato, como a defesa de isenção de julgamento de PMs que matam em serviço. Para um general, a sugestão dá a entender que militares querem carta branca para matar. Suas falas são bem recebidas nas camadas médias e baixas do meio, o que preocupa ainda mais o comando. (Folha)

Por: Meio