17 outubro 2018

Com cenas de tortura, Haddad parte contra Bolsonaro na TV



A propaganda gratuita de TV começa a queimar. Bolsonaro abriu a sua, ontem, com o discurso inflamado de Cid Gomes contra o PT. Haddad foi mais longe: cenas de tortura e depoimento de uma vítima do coronel Ustra — herói declarado do capital de reserva. A promessa, ao menos no flanco petista, é de que a intensidade aumentará nos próximos dias.

Pois é. Gleisi Hoffmann, presidente do PT, não gostou do discurso de Cid. “Não dá para pedir desculpas porque venceu”, afirmou, se referindo à chegada ao segundo turno. “O PT tem 30% dos votos desse país. É uma força social. Podem ter críticas, é natural que tenham. Agora, não dá para pedir que o PT peça desculpas.” O PDT dos irmãos Gomes não esteve presente na reunião de aliados para planejamento das últimas duas semanas de campanha. (Globo)

Cid, diga-se, foi ao TSE reclamar. Bolsonaro não poderia usar sua imagem, já que não são aliados. (Folha)

Aliás... Do general Mourão, vice de Bolsonaro, ouvido por Andréia Sadi: “Tem aquela frase antiga, de que a esquerda só é unida na cadeia, porque é obrigada a andar junta.”

Por: Meio