São Desidério Fest 2018

15 agosto 2018

Dia de registro da candidatura Lula, PT internamente rachado



Sexta-feira ocorrerá o segundo debate presidencial, realizado pela RedeTV!, que será mediado por Boris Casoy, Mariana Godoy e Amanda Klein, além de dois jornalistas da IstoÉ. Passa na televisão, mas também haverá transmissão por Facebook, Twitter e YouTube. Sobre ele, um mistério paira: Fernando Haddad participará? Segundo o próprio candidato, o PT ainda está negociando. Ao menos por enquanto, a RedeTV! informa que colocará um púlpito vazio onde ficaria Lula. Não faz sentido, num debate entre postulantes ao Planalto, colocar quem, ao menos oficialmente, é apenas vice. Ontem, o tucano Geraldo Alckmin afirmou que, caso haja convite, não se opõe à presença de Haddad. Henrique Meirelles foi além: “ele é o candidato do PT”. Mas a posição não é unânime. Ciro Gomes é radicalmente contra. “O PT é o meu adversário”, afirmou. “Quem é o candidato à presidência do PT? É o Lula. Por que o Haddad vai para os debates?”

Ciro parece sugerir que acredita no cálculo em que no segundo turno haverá espaço para uma candidatura à esquerda e, outra, mais à direita. Mas, dentro do PT, a briga ainda é distinta. Fernando Haddad já conta com uma estrutura de candidato a presidente, mostram na Folha Marina Dias e Catia Seabra, incluindo a companhia constante de Ricardo Stuckert, fotógrafo pessoal de Lula. E o ex-prefeito, lembra no Globo Sérgio Roxo, já começou a discursar fugindo à ortodoxia petista. Isto inclui afirmar que Venezuela e Nicarágua não são exemplos. “Quando você está em conflito aberto como está lá”, afirmou, “não pode caracterizar como uma democracia.” Age como candidato. Embora, em seu partido, ainda exista uma estrutura para aprovar que viagens e entrevistas pode fazer. O conflito está aberto.

Ainda que... O PSDB cogite a possibilidade de um segundo turno entre Alckmin e Jair Bolsonaro. A razão, segundo um dirigente tucano, é que demorando muito para oficializar Haddad, o PT pode ter dificuldades de divulgar, no Nordeste, o nome de seu candidato real. É onde se concentram as intenções de voto de Lula. Assim, o partido periga terminar fora do segundo turno, apesar do potencial. (Folha)

Há quem concorde com a leitura dentro do próprio PT. “Acho uma bobagem quem está falando que expor Haddad é problema”, disse o ex-governador baiano Jaques Wagner. “Ao contrário, se temos uma estratégia de substituição, nós não vamos ter a vida inteira para expor o Haddad.” (Veja)

E é hoje a data limite para registro das candidaturas. Dia em que o PT irá ao Tribunal Superior Eleitoral informar que o ex-presidente Lula pretende concorrer novamente ao Planalto. Ontem, a ministra Rosa Weber, do Supremo, assumiu o comando do TSE. Ela foi perguntada a respeito da principal dúvida do momento: o que ocorrerá quando alguém condenado em segunda instância, portanto enquadrado na Lei da Ficha Limpa, buscar o registro. “Pode haver ou não impugnação”, respondeu. “Se não houver impugnação, pode haver o exame de ofício. Não será uma impugnação, será um indeferimento de ofício à compreensão de que não estão presentes as condições de eligibilidade” Acenou, portanto, com a possibilidade de a Corte sequer aceitar o registro de saída.

Por: Meio