07 junho 2018

PF pede quebra de sigilo de Temer



Chegou à mesa do ministro Edson Fachin, no Supremo, um pedido da Polícia Federal para quebra do sigilo telefônico do presidente Michel Temer e seus dois lugares-tenentes, Eliseu Padilha e Moreira Franco. Trata-se do inquérito a respeito de propina da Odebrecht na Secretaria de Aviação Civil, comandada pelo MDB, em 2014. Os policiais querem localizar uma ligação feita por Temer aos dois ministros perto de um encontro no Palácio do Jaburu, onde ocorreram os acertos. Naquele ano, segundo um ex-executivo da empreiteira, Temer teria lhe pedido R$ 10 milhões.

Não é a única dor de cabeça que Temer enfrenta. Segundo as repórteres Andreia Sadi e Mariana Oliveira, a PF também busca mais indícios de pagamentos mensais ao presidente, de R$ 340 mil, na década de 1990, por uma série de empresas ligadas ao Porto de Santos — incluindo a Rodrimar, que se encontra no centro do inquérito. Foi a partir desta investigação que dois amigos de Temer foram presos. A Companhia Docas de São Paulo, à época, era comandada por um homem indicado por Temer.

O Planalto respondeu em nota. “Nada mais precisa ser dito sobre esse escândalo digno do Projac, a maior fábrica de ficções do país.” As duas repórteres são da TV Globo.

Por: Meio