03 novembro 2017

O tabuleiro de 2018 se organiza



Tendo terminado as negociações internas para receber nove dissidentes vindos do PSB, o DEM, com 29 deputados, aumentará sua bancada em um terço. O plano vai além. O objetivo agora é conduzir o partido para longe dos extremos. Na economia, defenderá reformas e empreendedorismo. No social, pretende levantar a bandeira da educação. Em segurança, um discurso conservador. “Proteção da vida e da sociedade, não do bandido”, pôs no rascunho do manifesto de refundação. (Folha)

A mobilização faz parte de uma série de movimentos de partidos que fazem parte da base governista e tentam se deslocar para o centro como tentativa de driblar a percepção popular a respeito do governo Temer.

Aquele que continua conflagrado é o PSDB. O presidente em exercício, Tasso Jereissati, contratou a agência de publicidade mineira usada pelo PT para bater em Aécio na última campanha. Para amarrar a provocação, seu primeiro diagnóstico mostra o impacto negativo na imagem dos tucanos causado pela decisão de seguir na base do governo. A reunião terminou em pancadaria. “O meu PSDB não é o PSDB de vocês”, disse Tasso aos aecistas.

Vera Magalhães: “Um movimento maior engloba os principais partidos da aliança que hoje dá sustentação ao governo impopular de Temer. PSDB, PMDB, DEM e PSD reforçaram diagnóstico de que, caso Lula esteja no páreo, a pulverização de candidatos no campo da centro direita apenas jogará água no moinho de Jair Bolsonaro. A constatação, fruto de conversas sobre como conduzir a agenda depois do arquivamento da segunda denúncia contra Temer, fez com que DEM e PSD voltassem a negociar posições numa possível chapa única desses partidos governistas, com as siglas do Centrão acopladas.”

Talvez... Mas Henrique Meirelles falou pela primeira vez com clareza em candidatura.

Enquanto Rodrigo Janot, estreando no Twitter, pulou fora.

E no PT... Depois de Lula ‘perdoar’ aqueles que chama de golpistas, o partido de Alagoas retornou à base de apoio do governo de Renan Calheiros Filho. “É uma decisão de ordem política e estratégica”, informa o presidente local da sigla, Ricardo Barbosa. (Folha)

Fonte: Meio