01 novembro 2017

Ministro diz que PM do Rio está ligada ao tráfico



O ministro da Justiça, Torquato Jardim, bateu de frente com o governo do Rio. “Todo mundo sabe que o comando da PM no Rio é acertado com deputado estadual e o crime organizado”, acusou. “Comandantes de batalhão são sócios do crime organizado.” Para o ministro, o assassinato, na semana passada, de um tenente-coronel PM foi acerto de contas. (Estadão)

O secretário estadual de Segurança, Roberto Sá, encarou de frente. “Quero fatos concretos para investigar”, falou. “O que não pode é fazer acusações genéricas.” (Globo)

Em entrevista ao Globo de hoje, Torquato deu corda ao embate. “Este ano, de uma única vez, foram presos 93 policiais de um batalhão em São Gonçalo. E qual foi a consequência disso? A polícia tem que revelar.” O ministro contou a história de uma operação conjunta entre forças federais e a polícia local para prisão de um traficante que sempre jogava bola no mesmo campo, aos sábados. “O sujeito naquele dia não foi.” Seguiu adiante. “Existe um serviço de inteligência sobre tudo que falo.” Aí, apontou para o foco atual da crise de segurança. “Nós temos informação: R$ 10 milhões por semana na Rocinha com gato de energia elétrica, tv a cabo, controle da distribuição de gás e o narcotráfico. Em um espaço geográfico pequeno. Você tem um batalhão, uma UPP lá. Como aquilo tudo acontece sem conhecimento das autoridades? Em algum lugar, voltamos à Tropa de Elite 1 e 2. Em algum lugar alguma coisa está sendo autorizada informalmente.”

Em seu blog pessoal, um ex-comandante da PM retrucou. “Vamos processá-lo Sr Ministro. A Caserna General Castrioto e o QG de Vidigal vão levá-lo às barras dos tribunais. Cada Policial Militar do Estado do Rio de Janeiro e seus também sofridos e mártires familiares vão interpelá-lo judicialmente para que o Sr prove suas acusações.”

Fonte: Meio