31 outubro 2017

MPF acompanha ato de interdição de 2500 pistolas utilizadas pela PM de Goiás


Medida é resultado da Auditoria do Trabalho que investigou acidentes e incidentes relativos às pistolas modelo PT 24/7 PRO D, da fabricante Taurus

Reunião ocorreu na sede do MTE em Goiânia (Foto: Ascom/MPF/GO)

O Ministério Público Federal em Goiás (MPF/GO) acompanhou, nesta terça-feira (31), a interdição promovida pelo Ministério do Trabalho (MTb) de 2.500 pistolas modelo PT 24/7 PRO D, da fabricante Taurus, em uso pela Polícia Militar de Goiás (PM-GO). 

A medida de interdição e recolhimento das armas é resultado da Auditoria do Trabalho realizada de agosto a outubro deste ano, que investigou acidentes e incidentes reportados pela PM-GO relativos ao armamento. O documento concluiu que as pistolas PT 24/7 PRO D são inseguras e perigosas para o uso dos policiais, o que exige o seu recolhimento imediato e a sua substituição por armas comprovadamente seguras.

A auditoria colheu informações sobre acidentes e incidentes com a arma envolvendo policiais militares de Goiás e de outros estados da federação. Até o momento, já foram registrados 27 acidentes com vítimas na PM-GO. A fabricação e comercialização da arma pelo Exército Brasileiro também foi suspensa.

A Secretaria de Segurança Pública de Goiás (SSP-GO) foi notificada do Termo de Interdição no final da manhã desta terça-feira (31), em reunião na sede do MTb em Goiânia. Na ocasião, estiveram presentes, além do MPF e do MTb, representantes da PM-GO, do Exército Brasileiro e da SSP/GO. Mesmo notificado, o representante da Taurus não compareceu.

Defeitos – Os principais defeitos da pistola verificados pela auditoria, em conjunto com peritos da PM-GO, foram: disparos involuntários; disparo ao acionar o desarmador do percussor; falha de ejeção da cápsula ou estojo e travamentos do gatilho e travamento do ferrolho. Além disso, em armas novas foram detectadas rachaduras no carregador; retém do ferrolho quebrado e folgas no desarmador do percussor.

Para o procurador da República Ailton Benedito, a utilização de arma de fogo segura é medida que se impõe, pois para o policial trata-se de equipamento de proteção pessoal, de defesa da sua vida e integridade física, bem como de defesa da sociedade.

Fonte: ASCOM do Ministério Público Federal em Goiás