13 setembro 2017

Começa a vazar delação de Lúcio Funaro



No esquema de corrupção capitaneado por Michel Temer havia quatro operadores. José Yunes, que foi seu assessor, o ex-ministro da Agricultura Wagner Rossi, o ex-presidente da Companhia Docas de São Paulo, Marcelo Azeredo, e o coronel João Batista Lima Filho. Esta, segundo Lydia Medeiros, é uma das revelações feitas na delação premiada do doleiro Lúcio Funaro. O presidente da República recebeu propinas ligadas às obras da usina nuclear de Angra 3. (Globo)

Ao ex-ministro preso Geddel Vieira Lima, o doleiro repassou no total R$ 11,4 milhões que vieram da Caixa Econômica. Noutra transação, a empresa CIBE pagou 4% de propina para receber um empréstimo de R$ 300 milhões do FI-FGTS. Deste dinheiro, Moreira Franco levou 60%, Eduardo Cunha, 25% e, Funaro, 15%. Pelo acordo de delação, Lúcio Funaro passará dois anos preso em regime fechado e seis meses, em prisão domiciliar, além de cumprir quatro anos de serviços comunitários. Pagará multa de R$ 45 milhões divididos em 10 parcelas semestrais. (Globo)

Por falar... Funaro informou ao Supremo que sua residência em São Paulo foi invadida no domingo. É onde vivem sua mulher e filha. Três homens saltaram da casa vizinha, que pertence a Joesley Batista, e chegaram à varanda. Quando vistos, fugiram. (Estadão)

Bernardo Mello Franco: “A PF afirma que o ‘quadrilhão’ reunia seis amigos de longa data. A Lava Jato já prendeu metade do time: Cunha, Henrique Alves e Geddel Vieira Lima, o homem de R$ 51 milhões. Os outros três estão no Palácio do Planalto: Temer e os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco, todos protegidos pelo foro privilegiado.” (Folha)

Fonte: Meio