25 agosto 2017

Juízes e procuradores partem contra Gilmar Mendes



O juiz carioca Marcelo Bretas achou por bem não dar ordem de prisão imediata a Rogério Onofre, que presidiu o Departamento de Transportes do Rio no governo Sérgio Cabral. Onofre ameaçou de morte outros suspeitos investigados de corrupção. Logo depois de ter sido solto por ordens de Gilmar Mendes. As ameaças foram registradas em áudio. Por conta, o MPF requisitou sua prisão novamente. Bretas, porém, optou pela cautela. Após ter tido suas ordens de prisão duas vezes seguidas derrubadas pelo ministro do Supremo, enviou a ele ofício pedindo orientações. Por via das dúvidas. Gilmar, conta Gerson Camarotti, disse que a decisão cabe mesmo a Bretas.

Aliás... Roberto Veloso, presidente da Associação dos Juízes Federais, cobrou da presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, que defenda Bretas. Quando um juiz de Brasília foi atacado pelo então presidente do Senado, Renan Calheiros, ela o defendeu. “Nós esperamos que a ministra faça o mesmo em relação a Marcelo Bretas.” O juiz carioca é ameaçado e tem de andar com escolta. (Estadão)

Não só. A Associação Nacional dos Procuradores da República também cobrou do Supremo uma postura enérgica. “O exemplo e o silêncio dos demais ministros e da corte não são mais suficientes”, puseram em documento os procuradores. “A eventual inação, infelizmente, funcionará como omissão.”

Na quinta, Bretas recebeu homenagem pessoal até de artistas. (Folha)

Humor: a turma do Sensacionalista imagina o STF privatizado.

Fonte: Meio