16 setembro 2015

Avô é acusado de estuprar neta em Luis Eduardo Magalhães


À direita a garota de 13 anos, que sofreu abuso sexual, ao lado de uma tia.

O laudo oficial só sairá futuramente em no mínimo trinta dias, mas o médico legista da Polícia Técnica que atendeu a garota de 13 anos, “informalmente” disse para sua mãe que a mesma teve a virgindade rompida.

O exame na garota aconteceu no DPT Regional de Barreiras (BA), na manhã desta terça-feira (15). A mãe e a avó materna da garota se abraçaram chorando quando souberam que o exame constatou que a garota foi sim abusada.

A garota escondeu da mãe, devido as ameaças do avô, mas o caso veio a tona depois que a garota contou para sua professora, no dia seguinte ao estupro.

Segundo a mãe da vítima, sua filha teria sido estuprada pelo avô materno, José Alves de Jesus, 64 anos. A mãe ficou sabendo através da professora que seu pai havia estuprado sua filha.

Mãe e avó da garota violentada se abraçam chorando.

A versão da garota é bem consistente e com riqueza de detalhes. Ela conta que na última quinta-feira (10), pela manhã, quando estavam em casa somente ela, a irmanzinha de 7 anos e seu avô, o mesmo a atacou dentro de um dos quartos, jogando-a sobre a cama, para cometer o estupro. Frágil, ela disse que ainda relutou contra o avô tentando fugir das suas garras.

Depois de muito pensar nas consequências, a mãe da garota denunciou o próprio pai na polícia, como sendo autor do estupro da própria neta.

O delegado de polícia Rivaldo Luz, ao tomar conhecimento da denúncia, ordenou a detenção do acusado e providenciou outros procedimento necessários ao caso. Imediatamente expediu guia de exame médico legal emitida à Polícia Técnica Regional de Barreiras, para examinar a vítima.

O caso não cabe mais o flagrante em delito. Mas com base na gravidade, a polícia civil de Luis Eduardo Magalhães, estuda formas legais para pedir a prisão preventiva do acusado. De acordo com a família, que está revoltada, o avô nega que tenha praticado o estupro. Mas a mãe, as avós materna e paterna, sendo uma delas ex-esposa do acusado, acreditam na versão da garota.

Segundo a ex-mulher do pedreiro José Alves, no passado ele tentou abusar de uma das suas filhas, mas o caso foi omitido por não ficar esclarecido. Dessa forma, a família acredita que José Alves seria capaz sim, de ter violentado a própria neta.

A família aguarda os próximos passos da polícia no caso, com expectativa de que o mesmo fique preso e pague pelo crime.

José Alves de Jesus é baiano de Baianópolis, mas ultimamente morava em Barreiras no bairro Santa Luzia. Ele foi levado para Luis Eduardo Magalhães, para ficar na casa da filha e receber cuidados, devido a ser alcoólatra. A filha dele, mãe da garota, era quem estava dando amparo ao pai, tentando tirá-lo do álcool.

Confiando, saia para trabalhar e deixava o pai tomando conta das duas netas de 13 e 7 anos. José Alves não teria feito jus a confiança depositada nele e teria praticado o estupro ao ficar sozinho com as netas. A polícia, no curso das investigações, pretende saber se ele não teria cometido algum abuso sexual também contra a menina de sete anos.

Por: Flavio Lima