12 março 2015

País das soluções mágicas e do comodismo

 
Nós, brasileiros, temos mania de comprar soluções fáceis que, num piscar de olhos, como se fosse mágica, resolveriam todos os complexos problemas políticos, sociais e administrativos no Brasil.

Por exemplo, não podemos tomar conhecimento de um projeto de lei tornando a corrupção crime hediondo que já compartilhamos alucinadamente a notícia nas redes sociais como se fosse a grande solução para punir políticos no Brasil. Mas é necessário muito mais do que uma lei para botar políticos na cadeia.

Com a Lei da Ficha Limpa esse comportamento bem “brasileirinho” se repetiu. Comemoramos como se a lei estivesse retirando dos corruptos notórios a possibilidade de apresentar seus nomes em um pleito. E, assim, colocamos na Justiça a obrigação de impedir novos mandatos. Mas a maioria dos barrados pela Lei citada colocaram esposas, filhos e assessores como candidatos, elegeu-os e continuará mandando em Prefeituras e Câmaras Municipais pelo país. Isso porque a fiscalização e observação política cabem a nós, e nenhum juiz, promotor ou ordenamento jurídico se incumbirá de tal feito.

Mas o brasileiro gosta de comprar idéias mirabolantes e, por esse mesmo motivo, frágeis.
Isso se dá, primeiro, por falta de conhecimento. Falta-nos estudar educação política durante o ensino médio. Falta-nos debater mais profundamente os temas do nosso cotidiano com nossas famílias e amigos. Aderir ao mero obaoba dos assuntos do momento não trará soluções viáveis. É necessário que nosso povo se conscientize da necessidade de estudar, avaliar, analisar a política de forma mais profunda, precisamos saber o que é uma licitação, precisamos compreender a estrutura e funções dos nossos órgãos públicos, precisamos freqüentar as sessões das Câmaras e fazer valer leis de transparência pública.

Mas há também outro fator que dificulta o real engajamento do povo brasileiro: o comodismo político. Somos cidadãos acomodados! Não nos acostumamos a pensar a política, a dialogar sem agressividade e a aprimorar nossos argumentos. Nos acostumamos com campanhas no interior nas quais votamos no candidato que é amigo, que vai dar algum benefício, que vai dar cargo ou que compra o voto. Negociamos o voto – que é o maior bem que temos na Democracia – baseados em critérios pessoais. Por isso, nos encontramos num estágio ainda muito embrionário da Democracia.

E quando somamos a falta de conhecimento com o comodismo político, temos um povo que se constitui em massa fácil de manobra política. Nesse terreno fértil para distorções, vão surgindo essas soluções mágicas como, por exemplo, o Partido Verde propondo adoção do parlamentarismo, sem nenhum cabimento a essa altura da nossa República.

E surge também a maior falácia do momento: o impeachment da Presidente Dilma.

Falácia! Primeiro, porque não vai ter impeachment. A saída da presidente nas condições atuais é descabida, comprometeria a economia ainda mais e não seria solução para absolutamente nada que diga respeito à corrupção e tradições política no Brasil. Nada! 

Não adianta depositar nossa esperança em uma idéia que não acontecerá e - se em um caso muito extremo acontecer - não solucionará nada. Não adianta comprar soluções imaginárias como se acabar com a corrupção fosse apenas tirar uma presidente do poder ou retirar o Partido dos Trabalhadores. Não adianta achar que um ato, uma simples manifestação, ou que pintar a cara de verde e amarelo vai resolver algo. Por que não vai.
O exercício da cidadania exige dedicação diária. Impõe que repensemos comportamentos arraigados em nossa sociedade, para deixarmos de lado convicções políticas pessoais em prol do raciocínio do cenário e do apoio às medidas que se afigurem necessárias. E enquanto boa parte da população encanta-se com a solução mágica do impeachment, o que temos é um povo que está com a atenção desviada reais soluções, como fiscalizar Câmaras e Prefeituras, participar de reuniões partidárias, pedir o afastamento dos investigados, cobrar a saída do Presidente da Câmara e do Senado do cargo enquanto são investigados pela Casa, saber o que se passa nas prefeituras nas nossas cidades... Por que a honestidade no meio político brasileiro não virá por um decreto ou por mágica.

Fonte: Daniele Barreto